quarta-feira, 29 de julho de 2015

Categorias avaliam dados de roubos a ônibus e táxis em Juiz de Fora

O primeiro semestre de 2015 terminou com 33 roubos à mão armada a veículos do transporte coletivo urbano e 37 roubos à mão armada a táxi em Juiz de Fora. Os dados disponibilizados pela Polícia Militar (PM) ao G1 apontam um aumento nos registros envolvendo táxis em comparação a 2014.

No mesmo período no ano passado, também foram 33 roubos a ônibus e 30 a táxis. Para analisar os dados e a sensação de segurança, o G1 ouviu o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário (Sinttro) e a Associação dos Taxistas e recebeu posicionamentos da PM e da Secretaria de Transportes e Trânsito sobre as medidas já implantadas para inibir os assaltantes.

Ônibus

Segundo os dados disponibilizados pela PM, durante todo o ano de 2014 foram registrados seis roubos consumados a coletivos e 50 roubos à mão armada. A diferença é que nos roubos consumados o assaltante usa alguma forma de violência para coagir a vítima, mas não está armado.
Os registros de furto apresentaram queda. Segundo a PM, não houve registro de furto de ônibus em 2015.  Já o furto de passageiros dentro dos coletivos caiu de 96 em 2014 para 51 neste ano.
 De acordo com o presidente do Sinttro, Adilson Antônio Resende, são feitas reuniões mensais com a PM para avaliação e identificação dos pontos onde os casos ocorrem com mais frequência. “O que descobrimos é que, na maioria das vezes, o crime é do mesmo jeito e envolve as mesmas pessoas. Algumas medidas que poderiam ajudar, como a mudança dos pontos de ônibus mais visados em horários noturnos, esbarra nos interesses de cada bairro”, ressaltou.

O envolvimento de adolescentes é um problema apontado pelo sindicalista. “Muitas vezes eles são detidos, mas não ficam presos. E também descobrimos que os crimes servem ainda para marcar invasões de territórios entre grupos rivais. Os trabalhadores que estão sempre nas mesmas linhas ficam com medo de reencontrar os mesmos suspeitos em novas ações”, comentou.
Segundo Adilson Antônio Resende, as empresas e o sindicato oferecem o acompanhamento psicológico aos motoristas e cobradores que foram vítimas de ações violentas. “A meta é recuperar o profissional para o mercado de trabalho. Há casos que eles nem voltam às mesmas funções ou que são encaminhados para outro emprego por causa do trauma”, afirmou.
Em nota, a assessoria da Settra disse que a implantação das câmeras e dos GPS nos veículos contribuiu para coibir assaltos no transporte coletivo.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Uber continua funcionando por decisão do Tribunal de Justiça

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou, o pedido de suspensão do funcionamento do aplicativo Uber, que oferece serviços de transporte com motoristas particulares. O pedido é parte de uma ação civil pública proposta por entidades que representam taxistas.

O pedido de suspensão julgado pela 29ª Câmara de Direito Privado foi feito por sindicatos que representam os taxistas.
De acordo com a desembargadora Sílvia Rocha, responsável pela decisão, as alegações dos sindicatos não cumpriam os requisitos necessários para que o Tribunal suspenda o funcionamento do Uber.
Para ela, não se pode afirmar, por enquanto, que o aplicativo trará prejuízos ao uso de táxis em São Paulo, ainda que tecnologias semelhantes tenham levado à queda na utilização de táxis em outras cidades do mundo.

Segundo Silvia, fatores como aspectos culturais, sociais e econômicos também precisam ser levados em conta no uso do serviço.
Segundo o Tribunal, o Sindicato das Empresas de Táxi e Locação de Táxi do Estado de São Paulo (Sinetaxi), a Associação das Empresas de Táxis do Município (Adetax) e a Associação das Empresas de Táxis de Frota do Município alegam que a Uber promove concorrência desleal e oferece serviços de modo clandestino.

O presidente do Sinetaxi e da Adetax, Ricardo Auriemma, esclareceu que se trata de uma decisão provisória e que o processo judicial ainda está em fase inicial. "O Sinetaxi e a Adetax estudarão recorrer. Estamos convictos e confiantes nas razões que nos levaram a promover a ação: a Uber promove transporte clandestino de passageiros, sem qualquer controle nem autorização da Prefeitura e em confronto com toda a Legislação Federal e Municipal que regulamenta o assunto".
Ele acrescenta, ainda, que os fundamentos que basearam a decisão levaram em consideração questões processuais, sem aprofundamento de mérito. "Tanto que a relatora afirmou que, esse primeiro entendimento, poderá ser revisto oportunamente", disse.

Outras medidas judiciais também tramitam para impedir o aplicativo no Brasil. Em maio, a Justiça derrubou liminar que determinava a suspensão das atividades do aplicativo em São Paulo.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

SIMTETAXI-SP realiza manifestação em Osasco para pedir fiscalização contra UBER e Wappa


Cerca de quatrocentos taxistas se dirigiram em carreata até a sede da prefeitura municipal de Osasco para cobrar do Senhor Prefeito mais fiscalização por parte da secretária de transportes aos carros particulares que fazem transportes de passageiros na cidade.

Isso vem ocorrendo principalmente com a ajuda do aplicativo UBER e Wappa que se utiliza de carros particulares e de locadoras para atenderem as empresas da cidade fazendo que a renda do taxista diminua a cada dia. O serviço de táxi é regulamentado pela lei federal 12.468 de agosto de 2011 e deu aos municípios a tarefa de gerenciar e fiscalizar o sistema de transportes.
Procurado pelos taxistas de Osasco o SIMTETAXI-SP se reuniu com a categoria por diversas vezes, foi realizada uma assembleia com a categoria que já havia protocolado junto à secretária de transportes da cidade um pedido de audiência com o prefeito Jorge Lapas e com Secretário de Transportes João Góis.

Por volta das setes horas da manhã a carreata saiu em direção à prefeitura, as 10h30min o secretário de Transportes recebeu um a comissão de dez pessoas, sendo quatro do sindicato e seis dos taxistas da cidade. Na reunião liderada pelo presidente do SIMTETAXI-SP, Antônio Matias (Ceará) ficou acordado que já a partir de hoje será intensificada a fiscalização aos carros que fazem o transporte de passageiros ilegalmente. Foi aceito também o pedido do SIMTETAXI-SP que seja criada na cidade a câmara temática do táxi nos moldes da que foi anunciada no dia 1 de julho pelo Secretário de Transportes da capital, Jilmar Tatto. 

sexta-feira, 10 de julho de 2015

SIMTETAXI-SP realizou assembleia geral em Caieiras


O SIMTETAXI-SP realizou na cidade de Caieiras (SP) uma Assembleia Geral Ordinária. A sessão aconteceu na Câmara dos Vereadores e foi presidida pelo presidente do SIMTETAXI-SP Antônio Matias, o Ceará. Em seguida foi realizada uma reunião de trabalho que contou com a presença do Vice-Prefeito Gersinho, do Vereador Dr. Panelli, da Assessora Diana, do Diretor do COTRAN e o Assessor do Vereador Paulão. 
Na pauta estavam demandas antigas dos taxistas da cidade, mas que não tinham até então um canal com as autoridades municipais, a chegada do SIMTETAXI-SP abriu o diálogo com o poder executivo e legislativo que já aprovou uma lei municipal instituindo o dia 25 de julho como o dia do taxista na cidade. 
Segundo o taxista Esaú, diretor da sub-sede, as normas aprovadas “são condições mínimas para o bom desempenho da atividade”. 
No decorrer da assembleia os taxistas se manifestaram sobre a necessidade de novos alvarás, neste sentido o presidente Ceará colocou em votação que “que as novas licenças sejam concedidas mediante um estudo prévio sobre a necessidade” e que todos os alvarás que foram concedidos até a presente data sejam recadastrados e para isso devem recolher a contribuição sindical.
A assembleia aprovou a pauta por unanimidade
1-  Implantação do segundo    
     motorista
2-  Padronização da cor dos  
     carros
3-  Regulamentação dos
     pontos de táxi
4- Recadastramento dos taxistas        
    mediante apresentação da  
    contribuição sindical 

O projeto de lei de autoria do Vereador Dr. Panelli, que instituiu o dia do taxista na cidade, foi votado no dia 02/06/2015 e sancionado pelo Prefeito Municipal no dia 04/06.  Também foi encaminhado ao Vice-Prefeito o pedido de uma reunião de trabalho para discutir um projeto de lei para regulamentar definitivamente o serviço de táxi em Caieiras.
 

Campanha

Campanha