quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Aplicativo Uber, mais uma vez tem causando polemicas

Os motoristas que continuarem a usar o app serão multados em mais de R$2.4 mil

 A Secretaria Municipal de Transportes (SMT) da cidade de São Paulo apreendeu quatro veículos vinculados ao aplicativo de caronas Uber. Segundo o órgão, os carros realizavam o transporte não autorizado de passageiros.
O Uber é um aplicativo, que permite ao usuário pagar por uma carona. O serviço se diferencia por oferecer carros premium, com motoristas treinados, e cobra uma tarifa base de R$ 5 e R$ 2,42 por quilômetro rodado em São Paulo. Qualquer pessoa pode se tornar um motorista do Uber.
A prefeitura de São Paulo notificou em novembro a empresa do app extrajudicialmente e deu o prazo de 30 dias, expirando no dia 11 de dezembro, para que ele se regularizasse ou encerrasse as atividades.
De acordo Secretaria Municipal de Transportes (SMT) alega que o serviço prestado pela startup é clandestino, porque os motoristas não são autorizados pela prefeitura para realizar a atividade remunerada. Além de não serem regularizados, a prefeitura afirma que o valor cobrado pelo Uber não é o do taxímetro legal (bandeirada de R$ 4,10 e quilômetro rodado de R$ 2,50 em São Paulo), e que pela Lei Federal 12.468/2011, somente os taxistas profissionais podem realizar o transporte individual pago de passageiros - com o máximo de sete passageiros por veículo.
“Uma coisa é o cidadão que sai de casa e leva um amigo de carona, isso é louvável, ajuda a cidade. Mas um cidadão que fica o dia inteiro dando caronas pela cidade de São Paulo caracteriza a atividade econômica de táxi”, disse Daniel Telles Ribeiro.
O diretor ainda destaca que, como a prefeitura não tem o registro dos motoristas do Uber, o serviço pode ter riscos aos passageiros. “O taxista faz um curso, tem cadastro, sei quem é esse taxista, e o veículo passa por uma vistoria, também consigo saber as condições desse veículo que está circulando. No caso do Uber, não sabemos quem é que está usando o carro, pode significar possibilidade de risco para o cidadão, o aplicativo infringe leis que estabelecem que o transporte individual de passageiros com fins econômicos é uma atividade privativa dos taxistas e só pode ser executada com autorização da prefeitura”, defendeu.

Outro fato que rendeu uma enorme discussão foi o aplicativo ser proibido na Índia sobre acusação de estupro da parte do motorista.

A proibição ocorre depois que um motorista cadastrado pelo serviço foi preso por suspeita de estuprar uma passageira. "O Departamento de Transportes proibiu todas as atividades de serviços de transporte uber.com com efeito imediato", afirma um comunicado oficial.

Os administradores do Uber não examinaram os antecedentes criminais do motorista, de 32 anos, que em 2011 já havia sido acusado de estupro - e inocentado um ano depois da acusação. 

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Taxistas de Piracicaba não tem adesivo para cobrar bandeira 2


De 264 carros, apenas 80 adesivaram os veículos

Os taxistas de Piracicaba vem enfrentando um problema grave, cerca de 70% da frota de táxis não têm o selo que autoriza aos motoristas a cobrarem o preço de bandeira 2 em todas as corridas durante o mês de dezembro.
Atualmente a cidade possui 264 carros cadastrados na cidade, apenas 80 já se regularizaram, de acordo com o sindicato da categoria.
Até o dia 1° de janeiro, o valor cobrado por quilômetro rodado passa de R$ 2,90 (bandeira 1) para R$ 3,60 (bandeira 2), um aumento de 24% no preço de cada quilômetro da corrida para o consumidor.
A medida funciona como um 13º salário para os taxistas, já que a classe é autônoma e não tem benefícios trabalhistas.
A adesão é gratuita para os motoristas associados ao Sindicato dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários de Piracicaba. Para os taxistas que não são filiados, é cobrada uma taxa de R$ 20 referente aos custos com o material do selo e impressão.
O uso do adesivo é obrigatório. O selo deve ser fixado do lado direito do vidro dianteiro.
Segundo o presidente do Sindicato, Jorge Luiz de Paula, o taxista que for pego cobrando do consumidor o preço de rodagem para bandeira 2 sem estar regularizado será advertido. "O sindicato e a Prefeitura fiscalizarão os casos de não cumprimento do decreto. Além disso, solicitaremos também o apoio do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) do Estado de São Paulo no monitoramento", afirmou para a equipe do JT.

sábado, 29 de novembro de 2014

Falta de Táxis em São Carlos faz passageiros esperar 1 hora para utilizar o serviço

O problema afeta frotas e taxistas já que o numero de veículos é insuficiente na cidade.
A cidade deveria ter um veiculo para cada 1,9 mil, o equivalente a 125 carros.
Porém apenas 104 circulam na cidade. A Secretaria de Transportes e Trânsito informou que a lei não previu um mecanismo de entrada de novos taxistas, o que tornou necessária a criação de critérios objetivos e democráticos para que isso ocorra.
Os taxistas querem uma solução junto com as frotas e a população, pois os taxistas são obrigados a deixar muitos passageiros na mão, esses passageiros ficam a espera de 1 hora por um erro da própria Secretaria.

Secretaria de Transportes


Em nota, a Secretaria de Transportes e Trânsito admitiu que a cidade opera com 20 táxis abaixo do número previsto em lei. Além disso, o órgão informou que está trabalhando para que a lei possa ser modernizada e novos táxis passem a atender a população de forma correta.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Prorrogada em Itapetininga as inscrições de curso para taxistas

A Prefeitura de Itapetininga prorrogou para 5 de dezembro o prazo para inscrições no curso de capacitação para condutores de táxi. As aulas terão início em 8 de dezembro e vão até o dia 19.

O curso é um dos pré-requisitos para exercer a função e para a obtenção da carteira funcional do taxista. São 40 vagas oferecidas. A taxa cobrada é de R$ 72,20.
As inscrições devem ser feitas na Secretaria de Trânsito e Cidadania, localizada na Praça Gaspar Ricardo, 01, no Centro de Itapetininga, das 9h às 17h. As aulas serão dadas na secretaria.


Para se inscrever é preciso apresentar a CNH da categoria B a E com a observação "exerce atividade remunerada", comprovante de residência, certidão de antecedentes criminais, certidão de multas de trânsito, declaração de regularidade previdenciária (INSS), comprovante da inexistência de qualquer pendência junto aos órgãos de trânsito ou da receita, comprovante de sanidade física e mental atestado junto ao Detran, comprovante de recolhimento da taxa de um UFM (R$ 64,70) e duas fotos 5x7 - fundo branco e datada.
 

Campanha

Campanha