segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Triagem do Uber não identifica criminosos, dizem promotores



Promotores da Califórnia ampliaram seu processo civil contra o serviço online de compartilhamento de caronas Uber, alegando que sua checagem de antecedentes não incluiu pessoas condenadas anteriormente por assassinato e crimes sexuais, mostraram arquivos do tribunal.

Os advogados dos distritos de San Francisco e Los Angeles apresentaram uma emenda de reclamação contra o Uber Technologies na terça-feira, na qual afirmam que "falhas sistemáticas no processo de checagem de antecedentes do Uber" vieram à tona após sua primeira apresentação em dezembro.

A nova queixa diz que criminosos sexuais, ladrões de identidades, invasores de domicílio, um sequestrador e um assassino confesso passaram pelo processo de triagem da empresa e estavam dirigindo para a companhia até serem citados por fornecerem caronas ilegais.

"Eu apoio a inovação tecnológica. Inovação, no entanto, não dá permissão às empresas para enganar consumidores sobre problemas afetando sua segurança," disse o procurador do distrito de San Francisco, George Gascon, em comunicado.

O Uber disse em comunicado que seu sistema de triagem tem sido efetivo e, em alguns casos, mais efetivo que um sistema diferente utilizado pelas empresas de táxi.

"Continuamos a trabalhar para melhorar a segurança para passageiros e motoristas antes, durante e depois da carona," disse a empresa.

Reportagem: Exame.com

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Multas aplicadas em SP sobem 22% no 1º semestre deste ano, diz CET

De acordo com companhia de trânsito, foram aplicadas 6.098.229 multas.
Radar campeão em infrações está localizado na Avenida dos Bandeirantes.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) aplicou 6.098.229 multas no primeiro semestre deste ano aos motoristas infratores na cidade de São Paulo. Isso representa um aumento de 22% em relação ao primeiro semestre de 2014.
O radar que mais aplicou multas neste período está localizado na Avenida dos Bandeirantes com a Washington Luís, na altura do viaduto João Julião da Costa Aguiar, no sentido Imigrantes, na Zona Sul de São Paulo.

A Prefeitura teria arrecadado cerca de R$ 7,5 milhões apenas com as multas aplicadas com este radar, considerando que os motoristas foram penalizados com uma infração leve no valor de R$ 53,20. A velocidade máxima no local é de 60 km/h, e os radares flagram excesso de velocidade, rodízio e zona máxima de restrição a caminhões e fretados.
O segundo radar que mais multou na capital paulista nos primeiros 6 meses do ano está na Marginal Pinheiros, na altura da ponte Cidade Universitária, no sentido Castello Branco, na Zona Oeste de São Paulo. Foram mais de 60 mil motoristas flagrados, e as multas somam R$ 3 milhões.

ONDE FORAM APLICADAS MAIS MULTAS
1. Av. dos Bandeirantes com a Washington Luís, no sentido Imigrantes

2. Marginal Pinheiros, na altura da ponte Cidade Universitária, sentido Castello Branco

3. Av. Conde de Frontin, na Radial Leste, perto da Rua Monsenhor Francisco de Paula

4. Av. Ibirapuera, no sentido bairro, perto da Av. dos Bandeirantes
 Na terceira posição do ranking aparece o radar da Avenida Conde de Frontin, na Radial Leste, perto da Rua Monsenhor Francisco de Paula, na Zona Leste. Foram 48.693 notificações emitidas. O quarto lugar ficou com o radar da Avenida Ibirapuera, no sentido bairro, perto da Avenida dos Bandeirantes. No local, foram cerca de 30.400 multas.


Ano passado
Durante todo o ano de 2014, o número de multas de trânsito cresceu 4,5% em São Paulo em e chegou a 10.608.695 milhões, segundo balanço divulgado pela CET. Trata-se de um novo recorde para a cidade – em 2013, tinham sido 10,1 milhões de infrações.

O aumento ocorreu apesar de a Prefeitura deixar de multar por falta de inspeção veicular, já que o programa foi suspenso em fevereiro de 2014. Caso esse quesito fosse excluído da comparação, o aumento total de multas na cidade no último ano teria sido de 7%.


As multas por excesso de velocidade continuaram sendo as campeãs em São Paulo. Foram 3,1 milhões, praticamente o mesmo número registrado em 2013.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Detran.SP alerta sobre o transporte seguro de crianças

Acidentes de trânsito estão entre as principais
 causas externas de internações de crianças no Estado de SP 


Até os 7,5 anos de idade, crianças devem ser transportadas com o auxílio de equipamentos de segurança
O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) alerta sobre os cuidados com o transporte de crianças. O motorista deve estar atento à segurança dos pequenos, com a utilização dos equipamentos de segurança previstos na legislação de trânsito brasileira.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em todo o mundo, mais de 500 crianças morrem todos os dias em acidentes de transporte terrestre. Apenas no Brasil, por dia, cerca de cinco crianças são vítimas fatais do trânsito.

"No Estado de São Paulo, acidente de trânsito está entre as principais causas externas que geram internações de crianças e adolescentes (de 0 a 14 anos), ficando bem à frente de situações como sufocação e afogamento, por exemplo", ressalta José Antonio Oka, gerente do Observatório Paulista de Trânsito do Detran.SP. Para Oka, os dados indicam a necessidade de maior atenção dos motoristas nos deslocamentos diários das crianças. 
No carro – Toda criança com até 10 anos de idade precisa ser transportada no banco traseiro, usando o cinto de segurança. Quem tem até 7,5 anos de idade deve, obrigatoriamente, estar acomodado em equipamento adequado (conforme tabela abaixo).

O uso dos dispositivos de segurança, previsto na resolução 277 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), visa reduzir o risco de lesão em casos de batida ou freada brusca repentina do veículo, pois limita o deslocamento do corpo da criança.

"O impacto de uma colisão contra um muro a 60km/h, por exemplo, equivale à queda de um prédio de quatro andares, ou seja, a chance de provocar fatalidade e lesões sérias para quem está sem equipamento de segurança é muito maior", complementa o gerente do Observatório Paulista de Trânsito do Detran.SP. 
Tipos de equipamentos de segurança para transporte de crianças no banco traseiro*

Faixa etária Equipamento necessário
0 a 12 meses bebê conforto ou conversível
1,1 a 4 anos cadeirinha
4,1 a 7,5 anos assento de elevação
7,6 a 10 anos cinto individual de segurança do próprio banco traseiro


* Os equipamentos não se aplicam ao transporte coletivo e táxis, por exemplo.

Na motocicleta – Apenas crianças com 7 anos de idade ou mais podem ser levadas na garupa, usando capacete adequado para o seu tamanho. Ainda que tenha a faixa etária permitida, uma criança que não tenha condições de cuidar da própria segurança não pode ser transportada em motocicleta, como por exemplo, se ela não alcançar o apoio dos pés (estribo); se tiver alguma deficiência ou estiver com braço ou perna engessado, entre outras situações, conforme prevê o Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito.

O condutor que descumprir essas regras de transporte estará sujeito às penalidades previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que prevê multa de R$ 191,54 e a inserção de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) - infração gravíssima. Quem for flagrado com criança em motocicleta de forma irregular responderá, ainda, a um processo administrativo para suspensão do direito de dirigir.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Use Táxi - 27 anos prestando serviço com muita eficiência

A Use Táxi surgiu com a intenção de diversos motoristas que perceberam a necessidade de se organizarem em busca de um objetivo comum, de investindo em tecnologia e constante treinamento a Use Táxi tornou-se referência no mercado por sua eficiência e qualidade garantida no atendimento.
A cooperativa Surgiu 15 de março de 1988, através da necessidade de vários taxistas em ter um atendimento com eficiente na Zona Sul de São Paulo; Atualmente são 650 cooperados.

Hoje a Use Táxi conta com aplicativo que atende toda região metropolitana de São Paulo, mesmo que o poder de investimento seja abaixo o intuito e enfrentar as cooperativas que vem de fora e também combater a ilegalidade de outros aplicativos.

O Presidente da Use Táxi, Eder Wilson é taxista há cerca de 30 anos, e vem de uma família de taxista, ele está no 6°mandato desde 2004.
 “ A Família Use é uma parceria e colaboração de anos e anos de trabalho, estamos em busca cada dia de oferecer o melhor para os nossos passageiros.
O motorista sempre deve preservar a profissão, já que o sucesso só depende dele , ele é merecedor de cada passageiro, essa profissão é única e maravilhosa”, afirma Eder.

Para Eder a Uber não o assusta já que acredita que o ser humano não gosta do que é errado.
“A uber não me assusta, apesar de ser desleal e a tecnologia que oferecem é irreversível, as pessoas querem fazer o certo, e tenho certeza que mais cedo ou mais tarde todos vão perceber que não é seguro usar o aplicativo que não tem motoristas confiáveis e regulamentados”, relata Eder.

Os cooperados possuem plano de vida, plano de saúde, convenio em oficina e convenio telefônico.






 

Campanha

Campanha